O São Paulo vê o técnico Abel Ferreira como um dos maiores vilões para o aumento da hostilidade entre o Tricolor e o Palmeiras, que culminou no veto à sala de imprensa do Morumbi no último Choque-Rei.

O que aconteceu
Pessoas do São Paulo ouvidas pelo UOL afirmam que diversas atitudes do português irritaram o clube. São Paulo e Palmeiras vêm acumulando encontros em mata-matas de decisões nos últimos anos.

As falas de Abel em entrevistas desmerecendo as vitórias do São Paulo incomodaram o clube. O Tricolor vê tais afirmações como motores para o aumento da hostilidade.

As atitudes em campo como as encaradas em Liziero e Calleri também irritaram. Os episódios foram citados pelo presidente Julio Casares em posicionamento anteontem (5) e também viraram provocação nas redes sociais quando o Tricolor eliminou o rival na última Copa do Brasil.

Dirigentes, técnicos, jogadores e demais pessoas envolvidas no futebol não devem agir com violência. Repudio quem maltrata jornalista retirando seu instrumento de trabalho das mãos, quem chuta microfone, quem peita jogador do time adversário mesmo não sendo atleta. Enfim, temos todos juntos de trabalhar para combater esse tipo de situação, tanto dentro como fora de campo.
Julio Casares

Palmeiras questiona redes do São Paulo
Se o Tricolor responsabiliza Abel, o Palmeiras vê a postura provocativa do São Paulo nas redes como irresponsável. Pessoas com quem o UOL conversou afirmam que as provocações dos são-paulinos já foram até tema de discussão em reuniões na FPF.

O clube alviverde usa como exemplo a apresentação de Caio Paulista, em que usou o tema ‘Big Brother Brasil’ ao invés de alfinetar o rival. A resposta das redes sociais foi negativa, cobrando provocação após o chapéu no rival.

No entanto, após o 5 a 0, o Palmeiras também passou dias provocando o Tricolor com várias postagens utilizando “CINCO” em maiúsculo em alusão ao resultado. As ações, porém, foram mais sutis do que as provocações são-paulinas na eliminação na Copa do Brasil, quando o clube utilizou o vídeo de Abel Ferreira peitando Calleri com a música “vou festejar”, por exemplo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *