O Conselho Deliberativo do São Paulo, mantendo sua posição arcaica, reprovou o projeto de reforma estatutária, que previa eleição direta para presidente a partir de 2026. Por 180 votos a 54, com uma abstenção, o projeto será agora arquivado pelo presidente do Conselho, Olten Ayres de Abreu, sem ir para a Assembleia Geral.

Você pode ver aqui os nomes dos conselheiros e os votos. Percebam que  dispus os que votaram NÃO, a abstenção e os que votaram SIM. Quando um NÃO aparece em frente de algum nome, é porque ficou ausente, não votando, o que é mais vergonhoso ainda.

Algumas curiosidades: Júlio Casares, João Paulo de Jesus Lopes, Olten Ayres de Abreu, Mara Casares, Dedé, Douglas Schwartzmann , Leonardo Serafim (os Jacks), Carlos Belmonte, Chapecó , nomes que flertam com a ditadura, votaram contra a eleição direta. Já nomes como José Douglas Dallora, Fernando Casal de Rey, Edson Lapolla, Carlos Sadi, Alexandre Médicis, José Carlos Ferreira Alves, Erovan Tadeu e outros que gostam da democracia, votaram sim.

Sylvio de Barros, que foi cotado como candidato à presidente do São Paulo em dezembro, se Marco Aurélio Cunha não fosse, votou não. Conselheiros que saíram da Oposição, migrando para a situação, como Vinicius Pinotti, Itagiba Francez, Maurício Canassa, Fábio Mariz e Rodrigo Gaspar, também votaram NÃO.

Uma grande curiosidade fica por conta de José Sorrentino Dias da Silva, que foi a única abstenção. Detalhe: ele é líder da oposição.

Além do mais, 19 não votaram. Por isso aparece a palavra NÃO na frente dos nomes

O resultado é mais um ponto a envergonha a história do São Paulo.  A lista foi publicada com exclusividade pelo Tricolornaweb.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *